Posicionamento mercadológico na prática

O consumidor entra na loja e logo percebe o que ela tem para oferecer. Com base nisso, vai “precificar” essa loja, podendo dizer que “gastará um pouco mais nela, mas valerá a pena” – o famoso custo-benefício.

Quem já se perguntou se o piso da Casa Santa Luzia é melhor que o do Pão de Açúcar? Mas, ao visitá-los e em seguida passar em uma rede popular, a diferença entre os pisos ficará mais evidente. O consumidor percebe se ele é de boa qualidade quando o carrinho não trepida, se os pés deslizam, e não há rejuntes que atrapalham a passagem.

Da mesma forma, ele percebe se os colaboradores estão felizes com o trabalho. Um cumprimento, um contato visual, uma brincadeira entre eles já traz a impressão de que o clima é leve. Em um lugar assim, há maior abertura para a interação, para que o consumidor faça perguntas na padaria, no açougue ou na adega, por exemplo.

Posicionamento mercadológico na prática

Mas, se o cliente recebe um olhar reticente, não atencioso, desinteressado e desconectado, ele não interage. Assim, vai tirando conclusões enquanto está experimentando a loja. Nessa hora, o consumidor está sensorialmente sensível, trazendo informações para o cérebro, que vai processando tudo.

Na maioria das vezes, esse consumidor nem chega a ter consciência sobre essas questões porque são aspectos da compreensão que ele não racionaliza. Ao ser questionado sobre o motivo da escolha da loja, a resposta será bem simples: melhor custo-benefício.

“Acessamos aspectos cognitivo-sensoriais do consumidor para estabelecer uma metodologia que extraísse informações suficientes desse processo, que já estudamos e compreendemos, para medir sua percepção. Se o ambiente não gera as melhores percepções no consumidor, esse aspecto cognitivo não vai gerar boas conclusões, portanto ele não vai gostar da loja e não estará propenso a pagar um preço igual ao da concorrência, que é melhor. Ele vai se limitar a exigir um preço menor, porque não acredita naquela loja, e não vai valorizá-la como valoriza outra que tenha um serviço melhor”, ressalta o presidente da R-Dias, Alexandre Ribeiro.

E o que pode ser feito com essas informações?

Uma vez que se entende como o consumidor age e avalia, é possível utilizar essas informações para inseri-lo na equação de precificação. Quando o consumidor tem um nível de percepção muito positivo, quando a loja entrega um alto nível de serviço, ela certamente pode cobrar mais e isso vai levá-la à margens superiores.

Por outro lado, em uma loja depreciada, cheia de equipamentos ultrapassados, que não entrega serviço e mantém uma equipe de atendentes mal humorada, que despreza o consumidor, a empresa é forçada a trabalhar dentro de uma “pegada” de preço inferior.

“Essa metodologia nos permite acertar não só a escala de preço que a loja possa praticar, mas entender quão distante ela está de atrair e fidelizar o consumidor. Com base nisso, montamos um plano de evolução de competitividade que possibilita a empresa atingir o patamar máximo de margem permitido pela situação atual, oferecendo um nível de serviço superior, otimizando ainda mais os preços”, explica Alexandre.

Como são os resultados?

Os resultados da metodologia da R-Dias aplicada ao varejo tem sido muito positivos, elevando o ganho de margens para algo entre 0,8% a 1,5%, com as técnicas baseadas no processo científico desenvolvido.

Em alguns casos se faz necessário ajustar o nível de serviço, em outros, o nível já é coerente para os planos de margem. “Quem está olhando para uma situação em que as despesas estão subindo de forma mais rápida que as vendas, achatando as margens, pode-se utilizar uma ferramenta importante para equacionar a relação entre o crescimento de despesas e o de vendas, aplicando mais inteligência à questão. E é isso o que propomos com esse modelo, com uma visão de pricing baseada numa metodologia de posicionamento mercadológico”, diz ele.

O método se adequa ao perfil de loja, de sua localização, de seu público, entre outras variáveis. Na verdade não é algo pronto, que se implanta em todas as empresas do mesmo jeito, mas totalmente personalizado, customizado para aquele negócio, conforme a realidade da empresa.

“Nosso trabalho é feito in loco, montamos uma equipe integrada e com essa somatória de conhecimentos, experiências e técnicas conseguimos aumentar a performance da loja consideravelmente. Quanto maior a interação, maior o sucesso no projeto e na implementação dessas técnicas”, garante o especialista em gestão estratégica para o varejo.

1.108 Comments

  1. http://emophilips.com

    Hi there! Do you know if they make any plugins to
    help with SEO? I’m trying to get my blog to rank for some targeted keywords but I’m not seeing very good results.
    If you know of any please share. Appreciate it!

  2. Rosalie Barnes

    Hello There. I found your blog using msn. This
    is an extremely well written article. I will make sure to bookmark it
    and come back to read more of your useful information. Thanks for the post.
    I’ll certainly return.

  3. Myles

    It’s awesome to go to see this web site and reading the views of
    all colleagues regarding this piece of writing, while I am also eager
    of getting know-how.

  4. Mildred

    Hi! I could have sworn I’ve been to this site before but after browsing through some of the post I
    realized it’s new to me. Anyhow, I’m definitely delighted
    I found it and I’ll be bookmarking and checking back often!

  5. Stella Crawford

    This is really interesting, You’re a very skilled blogger.
    I’ve joined your feed and look forward to seeking more of your excellent post.
    Also, I have shared your web site in my social networks!